Ginecologista e Obstetra. Tel: (11) 5053-2222 email: [email protected]

8 perguntas sobre Síndrome dos ovários policísticos

Marcar consulta com ginecologista e obstetra em são paulo

Ovários policísticos vs ovários normais

1 - O que é o ovário policístico?

O ovario policistico é uma síndrome que caracterizada por um distúrbio hormonal que leva a alteração estrutural nos ovários, com formação de vários cistos causando alterações no ciclo menstrual e ovulação.

2 - Quais são as causas para o seu surgimento? Pode ser genético?

Pode ocorrer por herança genética e também esta associada a um desequilíbrio na secreção de insulina pelo pâncreas. Porém todas as causas não estão totalmente definidas.

3- Quais são os sintomas?

O principal sintoma é a irregularidade menstrual, que ocasiona ovulações esporádicas e até infertilidade pela falta da mesma. Podem estar associados: obesidade, pele e cabelos oleosos, aumento de pêlos em região de face e pelo corpo, queda de cabelo e manchas escuras em axilas e nuca.

4 - Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico é realizado pelo médico pelo exame físico, historia clínica da paciente e complementado com exames de sangue hormonais (FSH, LH, ESTRADIOL, SDHEA, TESTOSTERONA, AVALIAÇÃO TIREOIDIANA E GLICEMIA) além de Ultrassonografia Pélvica para avaliação da morfologia dos ovários.

5 - Como é feito o tratamento? É necessária intervenção cirúrgica?

O tratamento é realizado de acordo com os sintomas apresentados, usa-se os anticoncepcionais orais para regular a menstruação e diminuir os níveis de hormônios masculinos, outra medicação que pode ser associada o são para diminuir a resistência a insulina. A cirurgia não é mais utilizada pelo fácil manejo com medicaçõese por afetar a reserva ovariana.

6 - É possível prevenir?

É possível prevenir as complicações, mantendo hábitos de vida saudável como dieta balanceada, exercícios físicos e tratamento medicamentoso.

7 - Pode evoluir para quadros mais graves?

Sim, mulheres com ovários policísticos tem mais chance de desenvolver diabetes tipo 2, obesidade e doenças cardiovasculares.

8 - É possível conviver com o distúrbio?

Sim, mantendo uma rotina de visitas a seu médico, realizando o tratamento proposto e mantendo hábitos saudaveis em seu dia a dia.

 

Autor: Dra Juliana Amato

Marque sua consulta agora

Agende já